domingo, 7 de janeiro de 2018

7-1-2018 Reis KEDASbike

clica na foto para aceder à galeria
Mais uma tradição que os KEDASbike vão mantendo ao longo dos anos, e não deixam cair em monotonia. Como adoramos vamos repetindo as tradições que nos ensinaram no grupo.
Bolo-rei para dentro dos camelbak, oferecido pela pastelaria Xilas, ainda estava quente quando o cortamos para melhorar o transporte. O Vinho do Porto foi oferecido pelo Domingos, Rocha e Rui, uma garrafa cada um. A restante comitiva de provadores Carlos Pereira, PedroS e Joel ajudavam no transporte.
Umas desistências não assumidas de Tó, Locas e Faria sobrecarregaram os seis kedistas presentes.
Alguma indecisão quanto ao percurso a escolher, com as opções que iam aparecendo quase que ficávamos na garagem do Carlos Pereira depois de ter trocado de pneu da bike, estava bem mais quente que lá fora.
Com destino ao Penedo das Letras passando por Pindela, o Rui começou o seu desporto favorito, o Geocaching. Mas com a bike às costas!!!? Dassse não bastava o Bolo-rei e Vinho do Porto…
O primeiro geocache ficava para trás, mais umas subidas que o Rocha e Joel “inguiavam” monte acima. Estes Reis estavam a ser duros, já tinha ferrado algumas vezes no avanço e a trepadeira continuava.


Mais uma opção de trilho errado que o Rui quis aproveitar para encontrar mais um geocache.
Bike para as costas e sobeeeeeeeeeee. Depois de ser destituído, demovido, despromovido e convidado a deixar de ser “inguia”, finalmente aceitou descer para retomar o trilho mais assertivo. 


Fomos ter à santa (uma escultura que só uns anos mais tarde é que se reparou que era um Cristo) uma visita rápida e subir ao Penedo das Letras, mas a sede era muita e acampamos mesmo ali.


Montamos as toalhas e pusemos a mesa de piquenique, o Bolo-rei estava muito bom e só sobrou o Belchior para o Joel lamber o brinde. O Vinho do Porto foi-nos mantendo ocupados algum tempo até faltar meia garrafa, guardamos e limpamos tudo. Quando estivéssemos a chegar ao final do passeio, antes da despedida, o resto do Vinho do Porto evaporava. Não gostamos de levar sobras para casa.
Estava difícil encontrar o caminho de volta, mas as migalhas do Bolo-rei que foram caindo nos cruzamentos foi a nossa salvação para encontrar o caminho.


Insisto... as culpas se nos tivéssemos perdido eram das desistências não assumidas.

A poucos km de casa fizemos o último brinde aos Reis das bikes

sábado, 9 de dezembro de 2017

9 de Dezembro 2017 Jantar de Natal KEDASbike

clica no foto para aceder à galeria
Dos participantes no passeio de Natal KEDASbike: Nagy, Carlos Pereira, Faria, Rocha, PedroS, Rui, Joel, Miguel e Mário juntaram-se os Kedistas Locas, Tó, Victor, Tony e Mendes mais quatro convidados, Abílio, Victor, Domingos e Cristiano na Tasquinha do Zé para a tradição continuar a ser o que era.


20.00h foi a hora marcada para o ajuntamento, e às 20.30h a saída do famoso cozido à portuguesa da casa. Mas poucos cumprem horários… nem para comer. Só o Mário é que tinha uma desculpa para chegar mais tarde, visto que mora mais longe, e chegamos mesmo na queima de Boticas.
Às 20.00h uma meia dúzia de “kedas” a segurar velas, mas nos 10 minutos seguintes já uma boa moldura de “kedas” iluminavam o balcão, fomos em peregrinação para o salão mercedes para começar a subir nas entradas. O Mendes tem sempre o relógio fora do pulso mas o Rui e Tony nem sabem o que é um relógio, e chegaram já com o cozido fora do forno.
A coruja das neves largou o pelo mas vestiu as pernas de branco, o que deixou um elemento com o fetiche estragado, desde de criança que sonha com a professora primária com as calças brancas, e este veio estragar o sonha de uma criança e o fetiche de um adulto.

As conversas são a maioria intelectuais a roçar a loucura, sempre a falar num tom sem dar keda das cordas vocais, não se fala de bikes nem do passado, e não, não… não falamos do passado, porque esse não volta atrás. As piadas, algumas repetidas são como se fosse a estriar. Os músculos abdominais e os faciais são os que mais sofrem nesta maratona sentada. Uma verdadeira loucura pq não se pode escrever/lembrar de tudo, pq, pró ano tb há.

9 de Dezembro 2017 Passeio de Natal KEDASbike

clica na foto para aceder à galeria
Como já fazemos este passeio de Natal há alguns anos a pesquisa deste seria para zonas menos conhecidas.
Partindo do que é importante para um passeio deste género e diversos tipos de canelo, não estava fácil arranjar um fato à medida. Trás-os-Montes era para onde apontávamos no mapa, faltava saber para onde. Após algumas indecisões os trilhos de Boticas iam ficar assinalados pelas nossas rodas.
Sete Kedas: Nagy, Carlos Pereira, Faria, Rocha, PedroS, Rui e Joel mais dois convidados Miguel e Mário concentravam-se pelas 7.15h em Famalicão para tentar arrancar em cima da bike antes das 9.00h em Boticas, o que não aconteceu... Muita logística…
Levávamos três tracks carregados no GPS para ver o que o tempo e as pernas nos iam obrigar/deixar fazer.


Começamos por trilhos queimados, marca registada em 2017, ainda estávamos aquecer quando os rastos de javali eram demasiado evidentes nos trilhos, (segundo o caçador do grupo ). Dois Kedistas tb quiseram deixar as suas marcas no chão, largar lastro. Mais um registo a ser visto da estação espacial.
Não estava o frio para a quantidade de roupa que alguns carregavam no corpo, a pausa estava a aumentar. Voltar a montar e aquecer, no trilho um pinheiro tombado ocupa grande parte da via ciclável e o afunilamento para a passagem estreita obriga a travagens sem direito a STOPs, o Rocha não vê as luzes a acender mas ficou a ver as estrelas quando se enfaixou na roda traseira do Carlos Pereira e levantou voo. Lá está, o aquecimento é muito importante… e não sei se foi a quantidade de medronhos que comemos já com cheiro a bagaço que tornou a condução menos assertiva. Mas um medronheiro carregado de fruto desaparecer em escassos segundos… é obra. Alguns ainda traziam medronhos amarrados ao equipamento, tal era a voracidade da gula.


Um novo elemento começava a fazer companhia, o nevoeiro, esse grande aglutinador de paisagens, esse grande F”#$%& da P&%$% que não nos deixava ver nada, às vezes nem 10m e durante muito tempo. O Joel começa a colocar a bike de pernas para o ar, a transmissão com o nevoeiro grosso, espesso e transpirado juntando as areias finas amarradas como se de limalhas se tratasse, estava a dificultar-lhe a oxigenação da lubrificação da máquina. E a média era altíssima não estivéssemos nós pedalar na cota dos 500m…
Estava na altura de carregar outro track e fazer uma parte em sentido contrário, um pouco de alcatrão a descer, numa parede de nevoeiro acompanhado de chuva miudinha, com curva contra curva sem ver um chavo. Aqui o Rocha sentia a falta do seu guarda-lamas novo que trazia no camelbak, depois da keda.
Só me preocupava a audição porque os carros elétricos, esses, era para bater de frente ou levar uma panada na traseira da bike.
Quando o nevoeiro ficou mais em cima, nova paragem para almoçar, era ver quem levava o melhor petisco de diversas variedades, tinha desde arroz de marisco a batata-doce, sande americana, sande salpicão e a famosa sande do Faria. Era à escolha.


O Rui achava estranho só ele é que não levava impermeável, ou os outros é que viram mal o tempo previsto para Boticas.
Arrepiávamos caminho para aldeia da Penalonga, e longas subidas começamos a fazer num total de 500+ de acumulado até ao Castro do Lesenho.
Passamos na aldeia mas só os cães é que nos cumprimentavam, a seguir eram as curtas subidas de ferrar no avanço, para depois o Rui tentar o que a descer deveria ser interessante. Esta parte do percurso era ao contrário… mas… bike prás costas e ganhar a taça da merda, segundo o Joel.
Depois de trepar o trilho com as bikes às costas, a paisagem continuava lá e tinha de ser absorvida, mesmo com a chuva transformava-se numa paisagem camaleónica ajudada pelo 10º elemento, o nevoeiro, as cores outonais são de uma verdadeira beleza o que me deixa uma nostalgia de ter percorrido poucos lugares este ano onde essas cores nos deixam a ganhar raízes.
Durante a escalada a perceção da descida, com as pedras a produzir musgo para o presépio, e as almofadas de folhas deviam dar para umas boas KEDAS.
Com as pernas ainda amarradas à caminhada/escalada a subida em cima da bike estava a ser dolorosa para as minhas pernas e para a transmissão da bike do Joel, nas mudanças mais baixas tinha de fazer “DH”, o Carlos Pereira ia dando uma ajuda na mecânica mas era impossível, o óleo nem amarrava à corrente, mistérios…


Quanto mais subíamos, mais o 10º elemento se fazia notar e a subida ao topo do Castro do Lesenho foi visitado apenas por dois GERREIROS PedroS e Miguel, o Mário ainda esboçou um micro gesto de trepar até ao cimo, mas deve ter sido um espasmo do nevoeiro.


Na descida carregava as baterias para mais alguns km de paisagem monocromática, mas as limalhas na transmissão do 10º elemento deixavam-no para trás com a bike de pernas para o ar. Entravamos na zona colorida do percurso sem chuva a descer. Os castanheiros em strip deixavam as nossas rodas calcarem as suas roupas velhas.
Aí, o Joel não se queixava, mas as subidas tinham sempre defeitos, e a paisagem que não se conseguia ver, e estava a chover, e era só estradões, e a zona mais técnica era muito técnica, e etc & tal. Mas para o ano ele vai escolher um trilho em dezembro com belas paisagens, belas descidas, sem chuva, ST e afins, tudo o que gostamos no BTT do melhor… claro que o Rocha vai ajudar. Pq é fácil. E ao gosto e canelo de cada um.     .I.


O entusiasmo parecia ser maior, já se via mais ao longe e as subidas não apareciam há algum tempo, os trilhos estavam a ser divertido, zonas de lajes graníticas ladeadas vegetação e muita pedra, praticamente sem recorte no terreno onde escolher colocar as rodas. O Mário vai lembrando a loucura da Serra Amarela, uma zona igual, semelhante, o cansaço não era o mesmo, mas tinha o mesmo aspeto, uma bonita e bela zona, puro BTT com caminhada, o que interessa é lá estar e passar como dá vontade, e tentar não interagir com as pedras :)


Continuávamos a descer e a passar em zonas onde há muito não passava ninguém, tal era a altura da vegetação. O Mário acabou com a sorte de ter furado durante muito tempo, com um pneu montado na roda traseira que tínhamos duvidas se ele não o tinha montado do avesso tal a inexistência de tacos. Bicicleta de rodas para o ar, assunto a resolver com a ajuda de PedroS e Miguel. Os outros atiravam pedras para ver quem “amandava” mais longe, ou estariam a manterem-se quentes... Não foi a melhor zona para furar, o vento estava a cortar e os atiradores de pedras foram descendo para zona mais abrigada.
 Com a reparação a ficar pronta só faltava virar a bike ao contrário, o Miguel fez as honras e vaticina o que ia acontecer minutos à frente. Ao virar a bicicleta dá com a roda no capacete do Mário, dez metros à frente já montados, repete-se a façanha, e em keda, sai pelo para-brisas da bike e leva outra vez com roda na cabeça….
O cansaço de alguns já estava a aparecer e a luz a desaparecer, com mais 10km no monte o pessoal decidiu fazer o restante pela estrada, estavam cansados mas quem os via a pedalar no alcatrão percebia que estavam cheios de sede, queriam ir o mais rápido para o tasco comer um prego enferrujado tal era a fracura da coisa. Uma valente desilusão o prego no final do percurso, mas a cerveja estava como de costume essa não nos deixa mal, já quentes de roupa trocada, que sempre é mais confortável e aconchegante.

Estes 9 bettistas chegavam a Famalicão, um banho rápido para se juntarem a outros 6 kedistas mais 3 convidados para o jantar de Natal KEDASbike :)

domingo, 12 de novembro de 2017

12-11-2017 Sem Medo BTT (Raid S. Martinho 6ª edição)

clica na foto para aceder à galeria
Céu limpo e um frio que te aquece as pernas, como se estivessem envolvidas em gelo. Foi assim que começamos o dia, 8.00h da matina. Carlos Pereira, Rocha e PedroS saiam de Famalicão em direção a Cavalões para participar neste passeio, o Nelson aparecia para lá, eram os Kedas que iam participar, o Arnaldo irmão deste tb se juntou ao grupo.
Chegamos, e fomos recebidos pelo Vasco, que nos inteirou do percurso adivinhando que íamos gostar.
Colocados na caixa de partida, ou frigorífico, estávamos à sombra e não havia maneira de aquecer. Estávamos ansiosos de pedalar e pôr o motor a libertar calor.


9.30h deu-se o arranque, com o frio que estava arranquei congelado, fui largando o gelo nos primeiros km sem esforçar muito e ver o Rocha a desaparecer.


Eu e o Carlos Pereira mantivemo-nos juntos o percurso todo, quando entramos nos trilhos deixamos de os ver os irmãos, o Rocha nos 8km iniciais ainda dava para o ver à frente mas depois desapareceu durante 19km.
Um percurso inicial bem delineado, onde deixou os bttistas se alongarem como pretendiam com ritmo colocado de cada um.


Monte da Saia é para os KEDASbike uma espécie de Triangulo das Bermudas, há sempre trilhos novos e difíceis de voltar a encontrar (não estou a falar de estradões), mais uma vez os Sem Medo BTT apresentaram um ST fantástico que o fizemos a subir, mas que tb deve dar bom gozo a descer, subidas curtas a ganhar altitude.


A organização a meio da subida fornecia água, ainda espreitei se o Rocha estava por lá, nada, continuamos a subir… e mais um ST “novo”… temos de fazer este percurso ao contrário para ver o que dá.


Ao chegar quase ao topo do Monte da Saia, a descida de enduro/DH, o ex-libris do percurso, que demorou muito a fazer deu para apreciar a paisagemmmmm. Um ST onde dá para entusiasmar se fores no teu ritmo de descida. No fim dá vontade de votar a subir para arrepiar trilho abaixo.
Uns km a rolar entre campos, uma visita a uma quinta, mais uns ST e a 5km do fim um jersey do grupo à frente, pertencia ao Rocha, tinha vindo a reduzir a média para o podermos apanhar. Rolamos até às castanhas e respetivo água pé.

Bom percurso tb para fazer ao contrário mas com a subida de enduro anulada :)